Segundas Intenções – Juliano Garcia Pessanha

_

Neste sábado, 24 de junho, o Segundas Intenções do mês trouxe como convidado Juliano Garcia Pessanha. O escritor gosta de fazer investigações sobre a condição humana e tecer um estreito diálogo entre a literatura, filosofia e psicanálise. Sua obra é composta por diferentes gêneros como aforismo, poesia em prosa, conto, ensaio filosófico, auto e heterotanatografia. A mediação do programa foi realizada pelo jornalista Manuel da Costa Pinto.

Juliano nasceu em São Paulo em 1962, estudou direito e filosofia. É mestre em psicologia e doutor em filosofia pela Universidade de São Paulo (USP). Autor dos livros Sabedoria do nunca (1999), Ignorância do sempre (2000), Certeza do agora (2002) e Instabilidade perpétua (2009), todos reunidos na tetralogia Testemunho transiente (2015), vencedor do Prêmio Associação Paulista de Críticos de Artes (APCA) na categoria Literatura/Grande Prêmio da Crítica. Publicou ainda Diálogos e incorporações (2016).

Manuel começou o Segundas Intenções contando uma pequena história sobre o convidado. Em 1997, ele participou do Programa Nascente, concurso artístico da USP que fomenta a produção literária de alunos e funcionários. O crítico era jurado e, para sua surpresa, viu que Juliano ficou em primeiro lugar nas categorias prosa e poesia. “Pensei que algo diferente estava acontecendo. Um autor que ganha em duas categorias e com textos diferentes, deve ser um cara muito bom”, disse Manuel. “Enganei bem”, replicou o escritor, com certa graça.

Juliano explicou que na época estava o tempo todo em conflito e que não sabia seu lugar no mundo. E que a escrita era o lugar onde ele tentava dar cidadania a essa pergunta. “Hoje eu sei que a falta do ‘Eu’ é a falta do encontro humano. Ficar vazio é uma concessão do abandono, o oco é uma dádiva do desencontro. A pessoa que escreve está tentando arranhar uma questão. E a minha questão era essa: como eu ia nascer para dentro do mundo? E por que eu ainda não tinha nascido para dentro do mundo? ”, divaga.

Crédito: Equipe SP Leituras

Crédito: Equipe SP Leituras

Fã de Franz Kafka, apropriou-se do escritor de A metamorfose para dar gênese a sua voz literária. Reconhece que não tem tanta competência em narrativa, preferindo fragmentos e ensaios. Mas identificou na obra do autor tcheco pontos de contato com a sua vida e história.  Na sua próxima obra, dialoga com o alemão Friedrich Nietzsche.

Outro autor que ele ama é o dramaturgo polonês Witold Gombrowicz, sucesso na Europa no século XX. “Quando li a obra dele, ganhei corpo. Eu ia lendo ele e me formulando. Puxa, então eu posso existir? Eu aprendi a ler francês para ler os diários dele. Esse encontro só a literatura dá, de você ler alguma coisa e pensar que você podia ter escrito, que aquilo vai transformar a sua vida”, finalizou.

O próximo Segundas Intenções na BSP é com o escritor João Paulo Cuenca, num encontro agendado para o sábado, 22 de julho. Na BVL, o bate-papo é com a dupla de autores Evandro Affonso Ferreira e Luiz Roberto Guedes, no dia 8 julho. Compareça!

Crédito: Equipe SP Leituras

Crédito: Equipe SP Leituras



Comentários

2 comentários | Comente »

  • Por VILMA PESSANHA em 9 de setembro de 2017 às 19:53

    EU VILMA DE LOURDES PESSANHA gostaria de saber se somos parentes sei que todos os PESSANHA que existe no BRASIL tem algum grau de parentesco

    Responder

    • Por Wendel Martins em 11 de setembro de 2017 às 12:09

      Oi, Vilma. Aqui quem fala é a equipe da BSP. O Juliano esteve aqui na biblioteca para um evento literário.
      Para responder esta questão, talvez seja melhor entrar em contato diretamente com o autor. Segue o link do Facebook dele –> https://www.facebook.com/juliano.garciapessanha

      Abraços e boa sorte :D

      Responder

Deixe seu comentário

Todos os comentários estão sujeitos a aprovação