Autor: natalia

Inéditos de Fernando Pessoa

fernando-pessoa_fb

No dia em que se comemora 129 anos de nascimento do poeta, conheça poemas inéditos e recentemente descobertos.


Histórias não (ou mal) contadas (Rodrigo Trespach)

CAPA_Histórias não (ou mal) contadas

Através de um ponto de vista pouco convencional – que não segue a ordem cronológica dos fatos, não narra campanhas militares, nem almeja ser a biografia oficial de generais e de líderes políticos -, o historiador Rodrigo Trespach nos leva a conhecer um pouco mais sobre o maior conflito bélico de todos os tempos. Baseado em fontes primárias e vasta bibliografia, com uma linguagem simples, ágil e precisa, Rodrigo nos convida a conhecer a Segunda Guerra Mundial por uma perspectiva inédita: a história de personagens ocultos e menosprezados, como os homossexuais e as mulheres.


Graffiti: intervenção urbana e arte (Anita Rink)

capa_grafitti_intervencao_urbana_arte

Apresenta um estudo sobre o graffiti e os grafiteiros, que fazem intervenções no cenário urbano de modo a contrastar com a produção de subjetividade na sociedade capitalista e a lógica de concepção dos locais nas metrópoles, com seus espaços meramente funcionais e econômicos. A proliferação do graffiti nas grandes metrópoles representa uma nova estética nas cidades neste estudo é possível perceber como a atuação dos grafiteiros também cria novas formas de sociabilidade e engenharia dos laços sociais.


22/6: Clube de Leitura

bannerweb_clubedeleitura-junho

Dia 22 de junho, venha conversar sobre o livro Mulheres de cinzas, de Mia Couto. O encontro acontece às 15h.


Uma selfie com Lenin (Fernando Molica)

CAPA_uma_selfie_com_lenin

Uma narrativa ficcional que descreve o vertiginoso declínio de determinados ideários políticos Uma selfie com Lenin, de Fernando Molica, pode ser lido como um carta de despedida, de amor ou de desculpas. Mas precisa ser lido até o final para que se descubra por que o protagonista escreve para a ex-namorada. Molica conta a trajetória conflitante de um jornalista que vê seus ideais de juventude serem corroídos pelo galopante avanço de uma estrutura política baseada na corrupção. Diante da ruína de suas convicções, o personagem narra com humor, a história de sua vida.


A esperança é uma menina que vende frutas (Amrita Das)

CAPA_A esperança é uma menina que vende frutas

Viajando de trem para uma cidade grande, uma garota sobe em seu beliche, silenciosa mas com olhos que parecem dizer muitas coisas, e permanece ali, sem comida e companhia. É com essa recordação que Amrita Das inicia este livro, resultado de uma oficina de texto e ilustração que cursou em Chennai, na Índia. Como uma das mais importantes representantes da arte folclórica indiana chamada Mithila, a artista aproveita este espaço para falar sobre as dificuldades de uma infância pobre, a vida das mulheres na Índia, a luta pela liberdade em uma sociedade patriarcal,


A química que há entre nós (Krystal Sutherland)

capa_a_quimica_que_ha_entre_nos

Grace Town é esquisita. E não é apenas por suas roupas masculinas, seu desleixo e a bengala que usa para andar. Ela também age de modo estranho- não quer se enturmar com ninguém e faz perguntas nada comuns. Mas, por algum motivo inexplicável, Henry Page gosta muito dela. E cada vez mais ele quer estar por perto e viver esse sentimento que não sabe definir.


Simplesmente o paraíso (Julia Quinn)

capa_simplesmente_o_paraiso

Marcus Holroyd tem uma missão: vigiaria que a irmã de seu melhor amigo se case com pretendentes inadequados. O problema é que ninguém lhe parece bom o bastante para ela. Aos olhos de Marcus, um marido para Honoria precisaria conhecê-la bem (de preferência, desde a infância, como ele), saber do que ela gosta e o que a aflige. Será que o homem ideal para Honoria é justamente o que sempre esteve ao seu lado afastando todo e qualquer pretendente?


História bizarra da literatura brasileira (Marcel Verrumo)

capa_historia_bizarra_da_literatura_brasileira

A partir de uma vasta pesquisa, o autor mostra todos os grandes nomes da nossa literatura, porém com um olhar que os tira do pedestal de pensadores intocáveis e apresenta o seu lado mais humano, comum e, claro, bizarro. O leitor vai descobrir o que aconteceu com a carta de Pero Vaz de Caminha, escrita para livrar um ladrão do exílio e desaparecida por séculos. Vai se assustar com o famoso escritor romântico que previu que iria morrer e se emocionar com a trajetória da esposa de Guimarães Rosa, uma heroína que salvou a vida de centenas de judeus durante a 2ª Guerra


Por que fazemos o que fazemos? (Mario Sergio Cortella)

capa_por_que_fazemos_o_que_fazemos

Mario Sergio Cortella desvenda em Por que fazemos o que fazemos? as principais preocupações com relação ao trabalho. Dividido em vinte capítulos, ele aborda questões como a importância de ter uma vida com propósito, a motivação em tempos difíceis, os valores e a lealdade – a si e ao seu emprego. O livro é um verdadeiro manual para todo mundo que tem uma carreira mas vive se questionando sobre o presente e o futuro. Recheado de ensinamentos, é uma obra fundamental para quem sonha com realização profissional sem abrir mão da vida pessoal.