Participantes do seminário visitam a BSP

1

Nessa semana aconteceu o IV Seminário Internacional de Bibliotecas Públicas e Comunitárias, realizado pela Secretaria de Estado da Cultura. O evento rendeu visitas ilustres à Biblioteca de São Paulo nos últimos dias, como Paula Larrain, da Biblioteca de Santiago do Chile.

Da esq. para dir.: Ana Cláudia Leal, esposa de Filipe Leal, da Câmara Municipal de Oeiras – Portugal, Virgínia Coelho, bibliotecária de Minas Gerais, Paula Larrain, da Biblioteca de Santiago do Chile, e Rosane Fagotti, Diretora da BSP.
Participantes do seminário conhecem a BSP

Um dos objetivos do seminário era promover a discussão de novas formas de incentivar a leitura e disseminar a informação nas diversas mídias. Entre os convidados estava Affonso Romano de Sant’Anna, que também veio conhecer a BSP recentemente, acompanhado pela escritora Marina Colasanti. Confira o relato estusiasmado do escritor, publicado em seu site oficial:

Fomos (Marina e eu) visitar a Biblioteca Pública de São Paulo, varando o dantesco trânsito paulista. É lá onde era o Carandiru: nome que remete para  filmes, livros e também  capítulo vergonhosos da vida policial e política. No seu lugar um moderno edifício, uma ampla biblioteca inspirada nas experiências de bibliotecas de Santiago do Chile e de Medellin. Fomos belamente acolhidos pela direção da instituição. Adriana Ferrari da Coodenadoria da Unidade de Bibliotecas e Leitura nos encaminhou à Rosane Fagoti e logo na entrada a surpresa de encontrar Armando Antongini que está também colaborando com aquela instituição. Tanto se falou nessa Biblioteca que era urgente conhecê-la. Voltada para estudantes e para a população de periferia disponibiliza uma série de coisas inovadoras ligadas à leitura através da eletrônica, como vídeos e internet. Destacam-se, no entanto, aparelhos que cegos podem usar para converter páginas de livros, tanto em textos falados quando em escrita de braile. E também a conversão de desenhos e ilustrações de livros em desenhos e ilustrações com relevo para os cegos poderem acompanhar a forma das figuras. O entusiasmo dos funcionários da instituição com o trabalho é contagiante.

Alguma coisa nova e positiva está acontecendo com as bibliotecas no continente. Dois dias antes eu havia ido a São Gonçalo (RJ) para a inauguração da biblioteca numa escola de periferia que recebe alunos do EJA (Educação de Jovens e Adultos). Lá, numa sala modesta, uma seminal biblioteca do Proler coordenado por Isabel Tubino. As coisas se explicam e se complementam.

Estarei na Biblioteca Mário de Andade, em São Paulo, dia 17, num debate coordenado por José Castilho, que dirigiu o Plano Nacional do Livro e da Leitura para lançar LER O MUNDO (Ed. Global). E como as bibliotecas entraram na minha vida para sempre, volto dia 23 para um depoimento/conferência para o IV Seminário Internacional de Bibliotecas Publicas e Comunitárias.”

Rosane Fagotti, Diretora da BSP, Affonso Romano de Sant’Anna, Marina Colasanti e Armando Antongini

Além disso, Affonso falou à rádio Metrópole da Bahia sobre os cegos e a leitura e citou a “revolucionária” área de acessibilidade da Biblioteca de São Paulo. Ficamos lisonjeados!

Compartilhe

Sobre o Autor

1 Comentário

Deixe um Comentário