/ governosp

Aniversário de São Paulo na BSP

1

Programa Paralango

A comemoração do aniversário da capital paulista começou animada na Biblioteca de São Paulo. Keila Sena, Douglas Campos e William Andreos, funcionários da BSP, encenaram um programa de tevê “Paralango”. O apresentador “José Bonifácio” (William) recebeu “Cida de São Paulo”, ‘458 anos’, representante da cidade aniversariante. “Sabe como é… tenho 458 anos, estou cansada… de vez em quando tenho uns espasmos… é muito trem e muito metrô em atividade. Mas estou em constante renovação. Sou agitada, não paro, não durmo! Às vezes, fico um pouco abalada, mas passa um prediozinho aqui, um viaduto ali, e aí eu fico em forma“, respondeu “Cida de São Paulo” quando o apresentador lhe perguntou como se sentia com essa idade avançada.

 

 “José Bonifácio” entrevista “Cida de São Paulo”

 

Programa “Paralango” contou até com merchan (da BSP, é claro!)

 

   Repórter do programa pergunta ao público o que acha da cidade de São Paulo

 

Ao final da encenação, o grupo de integrantes da BSP aproveitou para indicar alguns livros sobre a cidade, disponíveis na biblioteca: Ninguém é inocente em São Paulo (Ferréz), Metrópole e globalização: conhecendo a cidade de São Paulo (Maria Adélia Aparecida de Souza, Sonia Correia Lins, Maria do Pilar Costa Santos e Murilo da Costa Santos) e Bonde: saudoso paulistano (Fernando Portela).

 

Contação de histórias

Kiara Terra encantou adultos e crianças com a história “Cidades imaginárias”. Até o pessoal da equipe BSP aparecia de vez em quando para prestigiar. Kiara define suas apresentações como “processo colaborativo de construção de narrativa”. E bota colaborativo nisso. Todos participam da construção da história, adicionando novos elementos à narrativa, conforme Kiara vai abrindo espaços. Por exemplo: na história “Cidades imaginárias”, inspirada livremente na obra Obax, de André Neves, chega um momento em que a protagonista descobre uma cidade maravilhosa. Kiara falou: “E do ceú dessa cidade caía…“,  e aguardou a contribuição do público. Um pequeno sócio prontamente soltou: “Chocolate quente!”.

 

Kiara interage com o público

 

Também chamou a atenção os objetos utilizados para contar a história, como o sifão de pia, que faz as vezes de luneta, de telefone ou até de tromba de elefante. Outra coisa muito bacana é que Kiara aproveita situações da história para interagir ainda mais com o público. Quando a protagonista volta para casa e conta para a sua avó a respeito da cidade que encontrou, a avó insinua que a menina está mentindo. E aí Kiara aproveita o gancho: “Quem aqui já contou uma mentira, levanta a mão! Quem aqui já contou duas mentiras, levanta a mão! Quem aqui já contou uma mentira tão boa, que acreditou na própria mentira, levanta a mão!”  Todos levantaram as mãos. Aproveitando ainda o mesmo diálogo com a avó da protagnista da história, Kiara provocou: “Quem aqui tem uma avó que usa roupa florida, levanta a mão! Quem aqui tem uma avó que assiste televisão assim, meio dormindo, mas que diz que está assistindo quando você tenta desligar o aparelho, levanta a mão! Quem aqui tem uma avó que está distante, mas que mora no coração e chega até a sentir a presença dela, levanta a mão!“.

 

 Kiara provoca a plateia: “Quem aqui já contou uma mentira, levanta a mão! Quem aqui já contou duas mentiras, levanta a mão!

 

Oficina de artes

Logo depois começou na Tenda de Eventos a Oficina de Artes para Crianças, com Renata Moura. A arte-educadora iniciou a atividade falando sobre o aniversário da fundação da cidade de São Paulo e sobre o objetivo da oficina: construir um painel da metrópole. Para isso, o grupo utilizou trabalhos desenvolvidos por outras crianças em encontros anteriores: prédios, casas e pessoas. O Hospital Mandaqui e a Escola Derville, ambos localizados na zona norte, estavam entre os trabalhos. “Vocês são os pedreiros que vão erguer a cidade“, disse Renata, orientando as crianças. Para compor o painel, os participantes produziram as ruas e o céu da cidade.

 

Renata Moura ajuda participante no preparo da tinta

 

Sócio pinta rua da cidade

 

  Crianças montam a base do painel da cidade

Participantes finalizam a oficina colando “habitantes” no painel

 

Cantos da pauliceia

Esse evento encerrou a programação especial de aniversário da cidade. Paulo Alan e Clayton Sanches, funcionários da BSP,  revelaram aspectos de São Paulo, como o processo de urbanização e o crescimento econômico da metrópole, através das composições de Geraldo Filme, Adoniran Barbosa, Paulo Vanzolini e Eduardo Gudin. O animado Clayton falou sobre a discussão que existe sobre a origem do samba, disputada entre Bahia, Rio de Janeiro e São Paulo. A diferença temática que se percebe nas composições de cada eixo foi outra questão levantada no encontro. Um sócio, inclusive, chamou a atenção para o fato de que o “malandro” do samba paulista está sempre envolvido em questões de trabalho, como é possível perceber nas letras dos sambas interpretados na ocasião:

Meu bem eu vou me embora
não fique triste mulher de malandro não chora
Eu fiz de tudo para ser bom operário
veio a crise financeira eu perdi o meu trabalho
Vou com o Sol volto com a luz da Lua
Oh meu bem não fique triste dinheiro se ganha na rua

Mulher de Malandro – Geraldo Filme

 

Eu arranjei o meu dinheiro
Trabalhando o ano inteiro
Numa cerâmica
Fabricando potes
e lá no alto da Mooca
Eu comprei um lindo lote dez de frente e dez de fundos
Construí minha maloca
Me disseram que sem planta
Não se pode construir
Mas quem trabalha tudo pode conseguir

Abrigo de Vagabundos – Adoniran Barbosa

 

Clayton observa Paulo Alan interpretando Trem das Onze, de Adoniran Barbosa

 

Clayton promove discussões sobre o samba paulista e seus principais compositores

 

Auditório lotado e público atento

 

Quase 1.800 pessoas comemoraram o aniversário de São Paulo na BSP. Nenhuma ocorrência negativa foi registrada.

Parabéns!

 

texto por Denise Trolezi

fotos por Denise Trolezi, Genésio Manoel e Terence Yan

Compartilhe

Sobre o Autor

1 Comentário

  1. Pingback: Cidades imaginárias | Biblioteca de São Paulo

Deixe um Comentário

Ouvidoria Transparência SIC
Doe Máscaras