Memória inspira oficina de escrita literária

1

Uma jornada de aprendizado sobre como utilizar a memória na escrita literária teve início, esta semana, com o premiado autor Marcelo Maluf aqui, na BSP. O escritor está comandando a oficina Tecendo Palavras – Entre a Memória e a Ficção, que tem novo encontro marcado para o dia 25 de abril (inscrições encerradas).

Foto: equipe SP Leituras

Foto: equipe SP Leituras

Maluf, que é professor de criação literária e músico Mestre em Artes pela Unesp, escreveu, entre outros, “A imensidão íntima dos carneiros”, que ganhou o Prêmio São Paulo de Literatura na categoria estreante com mais de 40 anos. O escritor defende a memória como elemento fundamental para a escrita literária e fez uso dessa fonte para criar os textos de sua obra vencedora, retomando uma história familiar de sofrimento, guardada com a força do segredo.

Foto: equipe SP Leituras.

Foto: equipe SP Leituras.

A leitura, nos encontros, de vários trechos de livros que remetem à memória como fonte de inspiração, é um dos pontos altos da oficina, como ressalta Maluf. Não é intenção do escritor que ninguém saia da oficina escrevendo um romance, mas que as pessoas possam compreender ainda melhor o uso das lembranças no desenvolvimento de não ficção e ficção; a memória como ferramenta de criação. Como dicas, o escritor deixou alguns aspectos que devem merecer atenção ao trabalhar essas lembranças: pensar em como o autor das memórias se sente em relação à lembrança (repulsa, medo, tristeza?) e utilizar elementos outros que tenham marcado esse ou esses momentos (música, lugar, disposição de objetos, gestos etc.).

Foto: equipe SP Leituras.

Foto: equipe SP Leituras.

De olho nas dicas para utilizar em suas criações de texto, Gustavo, que é publicitário, veio do Morumbi, na zona Sul da capital paulista, especialmente para participar da oficina. Ele, que ficou sabendo da atividade pelas redes sociais, leu o livro de Maluf e aproveitou o encontro também pra saber mais sobre a obra e o escritor durante o encontro. Perto dele, Mateus, que é auxiliar de leitura na BSP, conta que escolheu a dedo a atividade e reservou um tempo pra dedicar-se à oficina. A intenção de Mateus é acumular ainda mais conhecimento de processos de criação para enriquecer suas letras de rap. Mateus sabe que essa também é uma forma de aproximar-se ainda mais da literatura, seu objeto de trabalho diário e paixão.

Foto: equipe SP Leituras.

Foto: equipe SP Leituras.

 

 

 

Compartilhe

Sobre o Autor