Saiu a lista com os livros mais emprestados de setembro!

0

Infantil (0 -11 anos)

1º – Malhado miau, de Julia Donaldson.

capa_malhado_miauMalhado Miau era um gato musical, cantava de forma sensacional! Malhado Miau e seu dono, Fred, são inseparáveis! Juntos, eles cantam na praça e ganham algumas moedas. Um dia, Fred sofre um acidente e Malhado Miau se perde de seu grande companheiro. Por sorte, a bela gata Nina o ajuda a achar um abrigo! Mas será que nosso lindo gatinho conseguirá reencontrar seu amigo Fred? Com a poesia agradável de Julia Donaldson e ilustrado por Axel Scheffler, “Malhado Miau” é uma história sobre lealdade e amizade que encantará os pequenos leitores.

 

 

 

 

 

2º – Jeremias: pele, de Rafael Calça.

capa_jeremias_pele

Numa reinterpretação ousada, porém necessária, como enaltece Mauricio de Sousa, em seu prefácio, o roteirista Rafael Calça e o desenhista Jefferson Costa dão vida a uma história forte, dura, emocionante, na qual Jeremias lidará pela primeira vez com o preconceito por causa da cor da sua pele. A história é recheada de dor, superação, aprendizado e preparação para a vida.

 

 

 

 

 

 

Juvenil (12 -17 anos)

1º – Amor e gelato, de Jenna Evans Welch.

capa_amor_e_gelato

 

Um verão na Itália, uma antiga história de amor e um segredo de família. Depois da morte da mãe, Lina fica com a missão de realizar um último pedido: ir até a Itália para conhecer o pai. Do dia para a noite, ela se vê na famosa paisagem da Toscana, morando em uma casa localizada no mesmo terreno de um cemitério memorial de soldados americanos da Segunda Guerra Mundial, com um homem que nunca tinha ouvido falar. Apesar das belezas arquitetônicas, da história da cidade e das comidas maravilhosas, o que Lina mais quer é ir embora correndo dali. Mas as coisas começam a mudar quando ela recebe um antigo diário da mãe. Nele, a menina embarca em uma misteriosa história de amor, que pode explicar suas próprias origens. No meio desse turbilhão de emoções, Lina ainda conhece Ren e Thomas, dois meninos lindos que vão mexer ainda mais com seu coração.

 

 

 

 

2º – Diário de um banana: Rodrick é o cara, de Jeff Kinney.

DB_Rodrick_e_o_cara#CAPA.indd

Faça o que quiser, só não pergunte a Greg Heffley como foram suas férias de verão, porque ele realmente não quer falar sobre isso. De volta às aulas, Greg está ansioso para enterrar de vez os últimos três meses…e um acontecimento em particular.

 

 

 

 

 

 

 

Adulto (acima de 18 anos)

1º – A sutil arte de ligar o foda-se, de Mark Manson.

capa_a_sutil_arte_de_ligar_o_fodase

 

Chega de tentar buscar um sucesso que só existe na sua cabeça. Chega de se torturar para pensar positivo enquanto sua vida vai ladeira abaixo. Chega de se sentir inferior por não ver o lado bom de estar no fundo do poço. Ninguém pode fracassar simplesmente, sem aprender nada com isso. Não dá mais. é insuportável. E é aí que entra a revolucionária e sutil arte de ligar o foda-se. Mark Manson usa toda a sua sagacidade de escritor e seu olhar crítico para propor um novo caminho rumo a uma vida melhor, mais coerente com a realidade e consciente dos nossos limites. E ele faz isso da melhor maneira. Como um verdadeiro amigo, mark se senta ao seu lado e diz, olhando nos seus olhos: você não é tão especial. Ele conta umas piadas aqui, dá uns exemplos inusitados ali, joga umas verdades na sua cara e pronto, você já se sente muito mais alerta e capaz de enfrentar esse mundo cão.

 

 

 

 

2º – A revolução dos bichos: um conto de fadas, de George Orwell.

capa_a_revolucao_dos_bichosEscrita em plena Segunda Guerra Mundial e publicada em 1945 depois de ter sido rejeitada por várias editoras, essa pequena narrativa causou desconforto ao satirizar ferozmente a ditadura stalinista numa época em que os soviéticos ainda eram aliados do Ocidente na luta contra o eixo nazifascista. De fato, são claras as referências: o despótico Napoleão seria Stálin, o banido Bola-de-Neve seria Trotsky, e os eventos políticos – expurgos, instituição de um estado policial, deturpação tendenciosa da História – mimetizam os que estavam em curso na União Soviética. Com o acirramento da Guerra Fria, as mesmas razões que causaram constrangimento na época de sua publicação levaram A revolução dos bichos a ser amplamente usada pelo Ocidente nas décadas seguintes como arma ideológica contra o comunismo. O próprio Orwell, adepto do socialismo e inimigo de qualquer forma de manipulação política, sentiu-se incomodado com a utilização de sua fábula como panfleto. Depois das profundas transformações políticas que mudaram a fisionomia do planeta nas últimas décadas, a pequena obra-prima de Orwell pode ser vista sem o viés ideológico reducionista. Mais de sessenta anos depois de escrita, ela mantém o viço e o brilho de uma alegoria perene sobre as fraquezas humanas que levam à corrosão dos grandes projetos de revolução política. É irônico que o escritor, para fazer esse retrato cruel da humanidade, tenha recorrido aos animais como personagens. De certo modo, a inteligência política que humaniza seus bichos é a mesma que animaliza os homens.

Compartilhe

Sobre o Autor

Deixe um Comentário