Parceria de Stela Barbieri e Fernando Vilela foi foco do Segundas Intenções

0
Foto: Equipe SP Leituras.

Foto: Equipe SP Leituras.

Pensar que a parceria entre Stela Barbieri e Fernando Vilela se “resuma” a um casamento bem-sucedido e dois filhos é um engano. Quem esteve presente – ou acompanhou a transmissão do bate-papo com eles pelo nosso espaço no Facebook – no Segundas Intenções na Biblioteca de São Paulo, no sábado, 23 de novembro, pôde conhecer um pouco mais da produção literária destes dois artistas e perceber que a cumplicidade entre eles, vai muito além. Juntos fazem “livros ilustrados”, o que, segundo Fernando, é “o encontro entre duas artes, o da palavra e da imagem, dois elementos narrativos que ajudam na mediação. Obras que misturam duas linguagens diferentes para um público que vai de zero a cem anos. “

Foto: Equipe SP Leituras.

Foto: Equipe SP Leituras.

Os autores se conheceram em 2002, numa exposição coletiva num galpão com 15 artistas plásticos. Alguns anos depois, produziam o primeiro livro juntos.  “A menina do fio” (Editora Girafinha, 2006) é um conto de fadas moderno, com uma princesa impaciente e rabugenta, que tem um fio duro de cabelo que não para de crescer e se enroscar em todos os lugares. Até que um jovem surge e ajuda a desatar todos estes nós.

Para Fernando, “a literatura sempre esteve ligada à imagem. O livro, além de ser um suporte para leitura, deve ter um aspecto cinestésico, com cheiro e forma. Deve ser um objeto de arte. Por isto, em nossas obras, seu formato é pensado desde o princípio, na matriz de construção da escrita.” Para Stela, estudiosa das tradições orais, sejam elas africanas, brasileiras ou sufis, a literatura começou pela oralidade. Desde sempre teve, na família ou na escola, importantes referências na contação de histórias que “por toda a vida, povoaram a minha imaginação.” Três tias eram educadoras e a uma quadra de casa havia uma biblioteca, o que foi, segundo ela, um divisor de águas em sua vida. Tanto pela formação visual que desenvolveu com as oficinas que frequentou, quanto no relacionamento com as pessoas.

Foto: Equipe SP Leituras.

Foto: Equipe SP Leituras.

Ambos são apaixonados e curiosos pelo mundo. Segundo Stela, “me interessa muito as espessuras, as tatilidades. O mundo está muito liso.”   Certamente por isto, viajam com frequência e, as vivências adquiridas nas viagens que fazem, os inspiram a criar.  Além disto, a participação em encontros literários mundo a fora, propicia descobertas e novos amigos, como o escritor Ferréz, que conheceram em Frankfurt, na Alemanha.

Foto: Equipe SP Leituras.

Foto: Equipe SP Leituras.

Para Fernando, “o grande desafio para quem ilustra, é não ser redundante. Não dá para ilustrar o que já foi dito com as palavras. Às vezes, o texto precisa falar mais do que a imagem ou vice-versa. Aí você vai adaptando, cortando daqui, aumentando dali. O livro ilustrado respeita esta interdependência, ele é uma terceira coisa.” “Lemos muito. E lemos muito um para o outro. Somos cada um, o palpiteiro de plantão do trabalho do outro. O que almejamos é que as histórias que contamos sequestrem as pessoas.” finaliza Stela.

Todos os encontros com escritores no Segundas Intenções estão disponíveis no nosso canal no Youtube: https://www.youtube.com/user/SPbiblioteca .

Compartilhe

Sobre o Autor

Deixe um Comentário