Categoria: Novas Aquisições

Novas Aquisições capa_divorcio
0

Em agosto de 2011, casado há 4 meses, o narrador de “Divórcio” encontra acidentalmente o diário da esposa em que, entre outras coisas, ela escreve: “O Ricardo é patético, qualquer criança teria vergonha de ter um pai desse. Casei com um homem que não viveu”. “Depois de quatro dias sem dormir, achei que tivesse morrido”, o narrador, Ricardo Lísias, desabafa. A partir de então, descreve o que chama de “seu desmoronamento” e a tentativa de compreender o que o levou ao ponto crítico.

Novas Aquisições capa_freud_uma_vida_para_o_nosso_tempo
0

Este livro é uma viagem pelo mundo de Sigmund Freud: a família, as relações, a cidade onde viveu, a formação, as dificuldades profissionais, inovações teóricas, os casos clínicos, a vida extraordinariamente produtiva e o contexto social e histórico em que ela foi vivida.

Novas Aquisições capa_os_27_crushes_de_molly
0

Molly já viveu muitas paixões, mas só dentro de sua cabeça. E foi assim que, aos 17 anos, a menina acumulou 26 crushes. Embora sua irmã gêmea, Cassie, viva dizendo que ela precisa ser mais corajosa, Molly não consegue suportar a possibilidade de levar um fora. Então age com muito cuidado. Como ela diz, garotas gordas sempre têm que ser cautelosas.

Novas Aquisições capa_o_que_vem_ao_caso
0

Em seu romance de estreia, Inez Cabral relata as experiências de quando viajava pelo mundo ao lado da família e do pai e poeta João Cabral de Melo Neto, até a idade adulta. O que vem ao caso é baseado nas experiências pessoais de Inez Cabral e reconstrói parte de sua infância, juventude e idade adulta. Os cenários variados do livro — Barcelona, Recife, Rio de Janeiro, Sevilha, Marselha, Madri, Genebra — são as cidades onde morou, sempre acompanhando o pai, o poeta e diplomata João Cabral de Melo Neto.

Novas Aquisições capa_o_espetaculo_das_racas
0

Um grande laboratório racial: era essa a imagem do Brasil no final do século passado. Construída pelos inúmeros viajantes que aqui aportavam, a alusão a um país de raças híbridas encontrava boa acolhida entre nossos intelectuais – juristas, médicos, literatos, naturalistas. Como entender, no entanto, que esses mesmos pensadores tenham feito das teorias raciais deterministas e evolutivas o seu baluarte intelectual, espalhando pela sociedade brasileira noções de superioridade racial e o estigma do pessimismo quanto ao futuro de uma nação mestiça?

1 2 3 171