Please ensure Javascript is enabled for purposes of website accessibility

Professora da Unifesp analisa quadro A Negra, de Tarsila do Amaral, dando início a Oficina Imagens Negras no Modernismo, na BSP

05 DE setembro DE 2022
Crédito: Silvia Costanti

Qual o quadro da Tarsila do Amaral que mais representa as imagens negras do Brasil? Com esta pergunta aos participantes da Oficina Imagens Negras no Modernismo, que acontece na Biblioteca de São Paulo até final de setembro, a docente de graduação e pós-graduação em Letras da UNIFESP, Ligia Fonseca Ferreira, abriu a série de quatro encontros sobre temáticas relacionadas aos 100 Anos da Semana de Arte Moderna de 22. Desta vez, o foco principal da atividade gira em torno de duas figuras icônicas: Tarsila do Amaral e Mário de Andrade - com recorte específico que abrange o período de 1922 à década de 1930.

Um olhar atento sobre a tela A Negra, pintada por Tarsila em 1923, foi o ponto de partida para a reflexão sobre os aspectos relacionados à presença (ou ausência) da representatividade negra no modernismo. A análise servirá de base para os próximos encontros, quando se fará um contraponto à leitura comentada das crônicas memorialistas da (também) escritora, faceta em geral pouco conhecida da pintora brasileira, cuja produção jornalística estendeu-se de 1936 a 1952 e na qual relata seu convívio com representantes das vanguardas brancas e negras, reunidas em Paris onde viveu na década de 1920.   

“Quando ela (Tarsila) nasceu, em 1886, ainda não havia sido abolida a escravidão, então o convívio com pessoas negras era nesse contexto. Por mais que ela tivesse na fazenda, eram mundos separados. E essa é uma pergunta que faço, provocadora: será que ela tinha se interessado tanto por aquelas figuras que certamente estavam ali servindo, acalentando? É uma hipótese que estou fazendo, não estou afirmando”, diz a professora Lígia que, como pesquisadora documental, está habituada a olhar materiais específicos levando em conta seu contexto de produção. 

Para se chegar aos questionamentos sobre o que estaria por trás da representação negra no Brasil no início do século XX, e fazer a transposição para outros campos que abarcam o discurso político e estudos literários, Lígia contextualizou a época apresentando um breve panorama histórico da cidade de São Paulo na década de 1920, que passou a ser um importante polo cultural a partir da industrialização, fruto da consolidação de uma estrutura de complexo cafeeiro no século XIX. Também foram analisadas algumas partes da programação realizada no Teatro Municipal de São Paulo, hoje disponível graças ao Projeto Toda Semana. Música & Literatura na Semana de Arte Moderna (Selo SESC, 2022).

E para alimentar ainda mais as reflexões sobre o tema proposto pela oficina, o curso seguirá com exemplos da correspondência entre Mário Andrade e intelectuais brasileiros e estrangeiros, cartas nas quais será possível apreendemos as imagens de uma “felicidade negra” que o marcou o poeta, escritor e musicólogo reconhecido, desde os anos de 1920, como importante “africanista”.

Ao final desta atividade, os participantes serão convidados a produzir textos breves de gêneros variados, como crônicas, cartas, artigos de opinião ou notícias, em primeira pessoa, inspirados nos modelos dos textos abordados nas aulas, com o objetivo de estabelecer pontes com a atualidade. 

Confira abaixo a programação dos próximos encontros. As inscrições ainda podem ser feitas pelo link bsp.org.br/inscrição.

Aula 2 - A viagem do escritor Blaise Cendrars, autor da Anthologie Nègre (Antologia Negra), 1923, ao Brasil em companhia de Tarsila e Oswald. Leitura comentada das crônicas memorialistas Tovalu (1937) e Blaise Cendrars (1938) : negros e brancos nos meios de vanguarda em Paris.

Aula 3 - A Felicidade é Negra: leitura comentada de cartas de Mário de Andrade a Carlos Drummond de Andrade (1924).

Aula 4 - Mário de Andrade, africanista: leitura comentada de cartas de Mário ao antropólogo e médico alagoano Arthur Ramos, ao sociólogo francês Roger Bastide, ao musicólogo uruguaio Pereda Valdés. Imagens da participação de intelectuais negros no Cinquentenário da Abolição (1938), organizado por Mário de Andrade, Chefe do Departamento de Cultura do Município de São Paulo.

Esta atividade integra o projeto Literatura Brasileira no XXI, em parceria com a Unifesp.  

 

Cadastre-se e receba nossa newsletter
Governo do Estado de SP

Política de Privacidade

Este site é mantido e operado pela Biblioteca de São Paulo (BSP).

Nós coletamos e utilizamos alguns dados pessoais que pertencem àqueles que utilizam nosso site. Ao fazê-lo, agimos na qualidade de controlador desses dados e estamos sujeitos às disposições da Lei Federal n. 13.709/2018 (Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais - LGPD).

Cookies
Cookies são pequenos arquivos de texto baixados automaticamente em seu dispositivo quando você acessa e navega por um site. Eles servem, basicamente, para que seja possível identificar dispositivos, atividades e preferências de usuários, otimizando a experiência no site. Os cookies não permitem que qualquer arquivo ou informação sejam extraídos do disco rígido do usuário, não sendo possível, ainda, que, por meio deles, se tenha acesso a informações pessoais que não tenham partido do usuário ou da forma como utiliza os recursos do site.

a. Cookies de terceiros
Alguns de nossos parceiros podem configurar cookies nos dispositivos dos usuários que acessam nosso site.
Estes cookies, em geral, visam possibilitar que nossos parceiros possam oferecer seu conteúdo e seus serviços ao usuário que acessa nosso site de forma personalizada, por meio da obtenção de dados de navegação extraídos a partir de sua interação com o site.
O usuário poderá obter mais informações sobre os cookies de terceiros e sobre a forma como os dados obtidos a partir dele são tratados, além de ter acesso à descrição dos cookies utilizados e de suas características, acessando o seguinte link:
https://developers.google.com/analytics/devguides/collection/analyticsjs/cookie-usage?hl=pt-br
https://policies.google.com/privacy?hl=pt-BR
As entidades encarregadas da coleta dos cookies poderão ceder as informações obtidas a terceiros.

b. Gestão de cookies
O usuário poderá se opor ao registro de cookies pelo site, bastando que desative esta opção no seu próprio navegador. Mais informações sobre como fazer isso em alguns dos principais navegadores utilizados hoje podem ser acessadas a partir dos seguintes links:
Internet Explorer:
https://support.microsoft.com/pt-br/help/17442/windows-internet-explorer-delete-manage-cookies

Safari:
https://support.apple.com/pt-br/guide/safari/sfri11471/mac

Google Chrome:
https://support.google.com/chrome/answer/95647?hl=pt-BR&hlrm=pt

Mozila Firefox:
https://support.mozilla.org/pt-BR/kb/ative-e-desative-os-cookies-que-os-sites-usam

Opera:
https://www.opera.com/help/tutorials/security/privacy/

A desativação dos cookies, no entanto, pode afetar a disponibilidade de algumas ferramentas e funcionalidades do site, comprometendo seu correto e esperado funcionamento. Outra consequência possível é remoção das preferências do usuário que eventualmente tiverem sido salvas, prejudicando sua experiência.