Please ensure Javascript is enabled for purposes of website accessibility

“Se um livro não mexer com os leitores não tem razão para existir”, diz Laurentino Gomes

12 DE julho DE 2022
Crédito: Reprodução

A história sempre foi uma paixão do jornalista Laurentino Gomes, mas sua entrada para o rol dos maiores escritores do país, com mais de três milhões e meio de exemplares vendidos e vencedor do prêmio Jabuti por sete vezes, aconteceu meio por acaso. Trabalhando na época como editor executivo da revista Veja, recebeu a missão de tocar junto com outros profissionais uma série sobre a história do Brasil para ser entregue como brinde aos assinantes. Após do projeto ser cancelado, Laurentino resolveu tocá-lo por conta própria, o que resultou na trilogia sobre a transformação do Brasil colônia em república, com os livros 1808, 1822 e 1889.

Apesar da mudança radical na carreira, o escritor conta que nunca deixou de ser repórter, já que suas obras são classificadas como livro-reportagem. Também não se considera o inventor de livros de conteúdo acadêmico com linguagem acessível, já que a categoria tem bons antecedentes. “Alguns escritores já faziam isso com muita propriedade, como o Fernando Morais, com o
Chatô e Olga, o Drauzio Varella, a Ana Beatriz Barbosa Silva, o Marcelo Gleiser, entre outros”.

 

Ao iniciar 1808, Laurentino já tinha os outros dois títulos futuros planejados, porém o sucesso com o primeiro livro virou um peso, o que fez recorrer à terapia para conseguir continuar a escrever com leveza e liberdade. O bate-papo, mediado pelo jornalista Manuel da Costa Pinto, também abordou a nova trilogia do escritor: Escravidão. Os três livros traçam a trajetória da escravidão no Brasil, que começa com a análise do tema desde os seus primórdios no mundo e segue com a descrição dos fatos até a Lei Áurea. “Esse percurso é muito interessante porque mostra que essa é a primeira vez que a escravidão, algo que sempre existiu, é associada à cor da pele. Antes era algo restrito aos inimigos de determinados povos”, destaca o jornalista.

 

Para explicar as nuances e as complexidades que permeiam o assunto, Laurentino comentou o conteúdo de cada livro da sua trilogia, sempre destacando a importância de saber o que aconteceu no passado para entender o Brasil de agora. Também falou sobre seus planos futuros, a relevância das datas históricas, a semântica racista e a relação com o racismo estrutural da atualidade.

 

A íntegra da entrevista com o escritor pode ser vista na página do Facebook da BSP


Cadastre-se e receba nossa newsletter
Governo do Estado de SP

Política de Privacidade

Este site é mantido e operado pela Biblioteca de São Paulo (BSP).

Nós coletamos e utilizamos alguns dados pessoais que pertencem àqueles que utilizam nosso site. Ao fazê-lo, agimos na qualidade de controlador desses dados e estamos sujeitos às disposições da Lei Federal n. 13.709/2018 (Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais - LGPD).

Cookies
Cookies são pequenos arquivos de texto baixados automaticamente em seu dispositivo quando você acessa e navega por um site. Eles servem, basicamente, para que seja possível identificar dispositivos, atividades e preferências de usuários, otimizando a experiência no site. Os cookies não permitem que qualquer arquivo ou informação sejam extraídos do disco rígido do usuário, não sendo possível, ainda, que, por meio deles, se tenha acesso a informações pessoais que não tenham partido do usuário ou da forma como utiliza os recursos do site.

a. Cookies de terceiros
Alguns de nossos parceiros podem configurar cookies nos dispositivos dos usuários que acessam nosso site.
Estes cookies, em geral, visam possibilitar que nossos parceiros possam oferecer seu conteúdo e seus serviços ao usuário que acessa nosso site de forma personalizada, por meio da obtenção de dados de navegação extraídos a partir de sua interação com o site.
O usuário poderá obter mais informações sobre os cookies de terceiros e sobre a forma como os dados obtidos a partir dele são tratados, além de ter acesso à descrição dos cookies utilizados e de suas características, acessando o seguinte link:
https://developers.google.com/analytics/devguides/collection/analyticsjs/cookie-usage?hl=pt-br
https://policies.google.com/privacy?hl=pt-BR
As entidades encarregadas da coleta dos cookies poderão ceder as informações obtidas a terceiros.

b. Gestão de cookies
O usuário poderá se opor ao registro de cookies pelo site, bastando que desative esta opção no seu próprio navegador. Mais informações sobre como fazer isso em alguns dos principais navegadores utilizados hoje podem ser acessadas a partir dos seguintes links:
Internet Explorer:
https://support.microsoft.com/pt-br/help/17442/windows-internet-explorer-delete-manage-cookies

Safari:
https://support.apple.com/pt-br/guide/safari/sfri11471/mac

Google Chrome:
https://support.google.com/chrome/answer/95647?hl=pt-BR&hlrm=pt

Mozila Firefox:
https://support.mozilla.org/pt-BR/kb/ative-e-desative-os-cookies-que-os-sites-usam

Opera:
https://www.opera.com/help/tutorials/security/privacy/

A desativação dos cookies, no entanto, pode afetar a disponibilidade de algumas ferramentas e funcionalidades do site, comprometendo seu correto e esperado funcionamento. Outra consequência possível é remoção das preferências do usuário que eventualmente tiverem sido salvas, prejudicando sua experiência.